domingo, 13 de setembro de 2009

ABRIGO


Já viram este filme? Antes que digam - ah e tal, um filme com 2 gajos nus na cama, está-se mesmo a ver o que isso é, esperem. Desenganem-se, o facto dos personagens se apaixonarem um pelo outro não é o principal, o filme é essencialmente sobre escolhas que se fazem, sejam elas quais forem - sexuais, profissionais, escolares.

Forçado a desistir do sonho de entrar para uma prestigiada escola de arte, a fim de cuidar da sua família, Zach (Trevor Wright) habitua-se a uma vida onde omite as suas próprias necessidades em favor de cuidar de sua irmã mais velha, Jeanne (Tina Holmes) e o seu sobrinho, Cody que o considera um verdadeiro pai. Quando o irmão mais velho do seu melhor amigo, Shaun (Brad Rowe), regressa a casa para procurar inspiração para um novo livro, Shaun e Zach acabam por desenvolver uma grande amizade. Apesar de namorar com a jovem Tori (Katie Walder), Zach aos poucos deixa-se relacionar emocionalmente com o escritor que não esconde o facto de gostar muito dele. E apesar de sentir-se atraído por Shaun, Zach vai estar cheio de dúvidas e terá receios de enfrentar a sua verdadeira identidade, a sua família e amigos. Quando finalmente o jovem assume os seus sentimentos, eis que irá surgir outro dilema na sua vida deixando-lhe a pensar naquilo que é mais importante para si, se o amor e os estudos ou se a sua família.


O filme, infelizmente não há legendado em português, mas para quem sabe falar inglês, os diálogos são bastante fácéis de acompanhar. Eu vi sem legendas e recomendo. É um dos filmes de 2009 (eu vi-o em 2009, por isso ponho-o neste ano)
Tem uma banda sonora muito interessante.

Livrem-se de preconceitos e vejam o filme

No You Tube está disponivel em várias partes (como de costume)

3 comentários:

pinguim disse...

É um belíssimo filme, com uma boa banda musical.
Não te quero pôr a ver filmes de temática LGBT, de forma alguma, mas se estiveres interessada recomendo-te 3 filmes bastante diferentes entre si, e todos muito bons: o americano "Latter days", o israelita "Bubble" e o francês, de François Ozon, "Le temps qui reste".
Posso disponibilizar-te os links para fazeres os downnloads, se quiseres.
Beijinho.

Catarina disse...

Um dos filmes que eu ando para ver mas ainda não tive oportunidade, é Bent. Também o facto de ser sobre dois homens não é o principal, mas antes a tortura, a perseguição e o sofrimento que os homossexuais suportaram nos campos de concentração. O papel deles neste holocausto acaba muitas vezes por ser esquecido em detrimento dos judeus e políticos.
Espero que seja um bom filme.
Beijos

pinguim disse...

Ao ler o comentário da Catarina, vi que não te tinha aconselhado este filme; mas como é muito recente o post que fiz sobre o filme, deves ter reparado, principalmente na cena que o vídeo foca.
Recebi o mail e vou responder, não está esquecido; fiquei muito sensibilizado.
Beijo.